“Reunidos na graça de Cristo…”

Mauro A. Costa

No dia 27 de junho foi iniciado o Tríduo em honra ao padroeiro da Paróquia: São Virgílio, bispo e mártir. Apesar de sua memória litúrgica ter sido celebrada no dia 26, a nossa paróquia decidiu fazer não apenas um dia de celebração, mas três – Tríduo: 27, 28 e 29.Mais do que isso. Nossa paróquia dedica cinco dias! E em cada um deles a comunidade paroquial tem a oportunidade de meditar sobre um aspecto de sua vida cristã, orientada com um tema e um lema.

Na quarta-feira, 27, o tema do dia foi “a santidade é a alma do testemunho cristão”; e o lema foi “pelos frutos se conhece a árvore” (Mt 7, 20). Uma noite clareada sobretudo com a Celebração Eucarística, presidida pelo vigário paroquial, Pe. Benno. A liturgia fora organizada pela Coordenação da Iniciação à Vida Cristã (IVC), na qual se fez presente crianças da catequese, catequistas, familiares das crianças e demais fiéis da comunidade paroquial. A igreja matriz São Virgílio não estava cheia, mas os que se fizeram presentes puderam encher seus corações de momentos significativos da celebração.

Depois da acolhida e da procissão de entrada, o sacerdote se pôs à frente do altar e, deste lugar, acolheu o gesto de catequizando que colocaram junto à imagem de São Virgílio materiais que o santo usou em vida, como a Sagrada Escritura e as sandálias. Além disso, as crianças também trouxeram pequenas faixas com dizeres significativos da vida do santo mártir, como os Dez Mandamentos, o missionário e o cristão corajoso.

As leituras da Celebração exortavam a assembleia litúrgica para a meditação da vida de profeta, uma dimensão tão cara à vocação cristã. Um remédio para uma sociedade que preza pela ganância do ter riquezas, pela busca desenfreada pelo prazer e aparecer (cultura da imagem), e pela sede de poder. No evangelho, Jesus alerta seus discípulos para os falsos profetas – daquela época e de nossa época – e ensina a avalia-los pelos frutos de sua árvore. O Mestre Jesus, a “árvore do Pai”, ensina-nos a permanecer com Ele; pois só assim poderemos frutificar os desejos de Deus para o mundo.

No momento da homilia, o presidente da Celebração reforçou a vida cristã de Virgílio, a qual o conduziu ao reconhecimento da Igreja por sua santidade. Feito mártir por defender a fé cristã das idolatrias, São Virgílio possibilitou o nascimento de muitos frutos, dentre os quais, a vida cristã de seus conterrâneos. Nesse sentido, ele foi um cristão profeta; um fiel que não se deixou contaminar pelas ideias errôneas sobre Deus e a vida religiosa; um fiel que não se deixou intimidar diante das perseguições, manteve-se perseverante na verdadeira fé. Ainda nesse momento, as crianças levaram para a frente do altar novos símbolos e dizeres, lembrando os frutos da fé.

 

Antes da bênção final, o Pe. Benno convidou as crianças e as catequistas para se dirigirem à frente do altar a fim de cantarem juntos o canto em homenagem a São Virgílio. Os demais fieis permaneceram de pé e, juntos, entoaram o canto que tem em sua primeira frase “Reunidos na graça de Cristo…”.

Após a celebração eucarística, o povo se dirigiu para os festejos no salão paroquial. Lá encontraram as delícias elaboradas com carinho e dedicação pelas equipes de serviço da cozinha: sopa, pastel, pinhão, etc. Além disso, o povo ainda pode se divertir na pescaria, no bingo, etc. Percebia-se um clima fraterno! Uma noite amena, na qual o grande diferencial foi a presença alegre em festejar a semana do padroeiro.

Foto da equipe da cozinha

E foi assim o primeiro dia do Tríduo, e por que não dizer o primeiro dos cinco dias em homenagem ao cristão, ao bispo, ao mártir, enfim, a um exemplo de santidade que produziu – e produz – frutos para o Reino de Deus, São Virgílio.

 

Comente