Por Ronaldo Casagranda (Coordenador)

“Hoje, a família é desprezada, é maltratada…  Importa reconhecer o belo, o autêntico e o bom que é formar uma família, ser família… Cuidemos das nossas famílias, verdadeiras escolas do amanhã. Cuidemos das nossas famílias, verdadeiros espaços de liberdade. Cuidemos das nossas famílias, verdadeiros centros de humanidade” (Papa Francisco).

No último sábado (12), às 14h, ocorreu na Capela São José, mais um encontro de formação para os pais/mães que possuem filhos na catequese, das comunidades de São José (Claraíba), Santo Anjo da Guarda (Indaiá) e de Nossa Senhora de Fátima (Espraiado II).

O tema da vez foi: Família, transmissora da fé. Procurou-se destacar e conscientizar a família da sua importância na participação e na educação dos filhos na fé; afinal, a Igreja acredita na família e no seu fundamental papel na sociedade. Em virtude disso, luta para que os filhos encontrem, na Igreja, o primeiro espaço de encontro com Deus e o fundamento da fé.

Por este motivo, “consciente de que o matrimônio e a família constituem um dos bens mais preciosos da humanidade, a Igreja quer fazer chegar a sua voz e oferecer a sua ajuda a quem, conhecendo já o valor do matrimônio e da família, procura vivê-lo fielmente, a quem, incerto e ansioso, anda a procura da verdade e a quem está impedido de viver livremente o próprio projeto familiar, sustentando os primeiros, iluminando os segundos e ajudando os outros(João Paulo II, Exortação Apostólica Familiaris Consortio).

Quando a educação da fé é iniciada na família é mais perceptível a sua assimilação em outros meios como a catequese. É preciso então que a família tenha consciência de que os filhos são a sua maior riqueza e que educando-os através dos valores morais e cristãos, está preservando esse bem maior e preparando pessoas para uma vida feliz e realizada, segundo a vontade de Deus.

 

Comente