Mauro A. Costa

Com uma iniciativa inédita no Brasil, quiçá em toda a América, a Arquidiocese de Florianópolis dá um passo significativo em uma área central da família, o Matrimônio. Em nossa época os ataques e as ameaças ao vínculo matrimonial são imensos, e a Igreja, sempre prevendo e antecedendo o pior, cria a Pastoral Judiciária.  Em Santa Catarina, o Instituto Superior de Direito Canônico Santa Catarina (ISDCSC) assumiu a responsabilidade por essa criação ministerial, o qual é agregado à PONTIFICIA UNIVERSITAS LATERANENSIS de Roma (Itália)

De acordo com o Presidente do Tribunal Eclesiástico e Vigário Judicial da Arquidiocese, Pe. Tarcísio Pedro Vieira, a Pastoral Judiciária se constituíra como “um setor da Comissão de Vida e Família que atenda as petições de nulidade matrimonial, converse com os casais interessados, verifique as possibilidades de haver realmente condições de nulidade e, por fim, ajude na elaboração do libelo, texto protocolar do pedido a ser enviado ao Tribunal Eclesiástico, com todos os dados históricos importantes para a análise do processo.”. Para isso, é urgente a capacitação/formação de agentes pastorais e/ou ministro ordenados (Diáconos) para atuarem nesse novo campo de ação.

Da Forania de Tijucas, particularmente da Paróquia São Virgílio, dois casais foram enviados para participar do Curso de Pastoral Judiciária, são eles: Arlete e Evaldo; Denair e Mauro. Os dois casais foram chamados pelo Pároco, Pe. Roberto, em vista, sobretudo, das atividades que ora realizam (e realizarão) no ministério do Diaconato. Com eles participam pessoas de outras dioceses e estados, formando uma turma de 44 cursistas. O curso ocorre uma vez por mês – sábado e domingo – e se estende até o mês de novembro deste ano.

Que Deus seja glorificado pela resposta que a sua Igreja tem dado aos desafios de nossa época, em especial na área familiar. 

Comente