Por Sérgio Adriano

A nossa festa prevista, a princípio, para o dia 03 de junho foi adiada por causa da justa greve dos caminhoneiros. Efetivamente festejamos o nosso querido padroeiro, Santo Antonin, no último domingo, 08 de julho de 2018.  Foi muito bonita.

A missa festiva começou às 10h e foi presidida pelo nosso Pároco, Pe. Roberto J. Gottardo,SJ. Após o término da celebração foi servido almoço para os festeiros e o povo em geral. Às 13h30min teve apresentação de quadrilhas com o grupo Raízes do Vale de São João Batista e às 14h a tarde dançante começou a todo vapor com o Grupo Lida Campeira.

Durante os festejos ocorreu o sorteio da rifa, o bingo de um boi e serviço completo de bar e cozinha. Graças a Deus e a participação de muitas pessoas generosas da comunidade a festa foi muito bem preparada. Contamos com a presença de um público muito bom quer na hora da missa quer nos festejos.

Antes da bênção final da missa sob o patrocínio de Santo Antônio foram abençoados os pães e oferecidos aos fiéis. Não sobrou nada! Na homilia, Pe. Gottardo, ao refletir sobre os preconceitos dos habitantes de Nazaré a ponto de ficarem escandalizados com a presença de Jesus no meio deles (cf. Mc 6,1-6), fez analogia com um fato desconcertante na vida de Santo Antônio; diante da ignorância e do fechamento orgulhoso do povo de Rimini (1223), foi pregar aos peixes com notável sucesso. O calvário dos servidores de Deus continua e não conhece tréguas.

Sobre a estupidez/arrogância dos seres humanos de todos os tempos e lugares, escreveu Einstein: “Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, em relação ao universo, ainda não tenho certeza absoluta”. O profeta Ezequiel lembra: “Quer te ouçam ou não (pois é uma raça indomável), hão de ficar sabendo que há um profeta no meio deles!” (cf. Ez 2,5).

Santo Antonin, rogai por nós.

 

Comente